BIBLIOTECA MADRE INÊS
Alunos e Pais

SISTEMA PERGAMUM - Pesquisa ao acervo de livros

 

 

A Biblioteca Madre Inês tem como objetivo principal disponibilizar suporte informacional para alunos, professores e colaboradores do Colégio Santa Catarina, propiciando um ambiente agradável, fortalecendo e desenvolvendo o hábito da leitura dos usuários.

Nosso acervo possui um volume de aproximadamente 20 mil exemplares, incluindo livros técnicos e didáticos (das áreas de conhecimento contempladas pelo Colégio e assuntos em geral), CDs, DVDs, periódicos, revistas, obras de referências (enciclopédias, dicionários, atlas...), e livros de literatura (leitura em geral: literatura Brasileira, romances, contos, poesias, crônicas, literatura infanto-juvenil, literatura americana).




  • + Indicações de Leituras

    Espaço destinado para livros novos incorporados ao acervo, bem como sugestões dos próprios alunos. Este espaço engloba leitura para os três níveis (FI, FII e EM), e revistas com assuntos da atualidade. 

     

    Divulgamos aqui os números de nossa Biblioteca:

     

    - Livros mais emprestados - Setembro 2015:

    PERLMAN, Alina.  Olhando para dentro.   São Paulo:  Saraiva,  2001. 46 p. (Jabuti) ISBN 8502035812 Qtde.:  171 º. 

    TUCCI, William.  A rebelião das palavras.   São Paulo:  Scipione,  2003. 39 p. (Diálogo Jr.) ISBN 8526249754 Qtde.:  162 º.

    BLOCH, Pedro.  Coração do lado esquerdo:   ecologia do sentimento.  São Paulo:  Ed. do Brasil, 1999. 32 p. (Cotidiano) ISBN 8510023999 Qtde.:  113 º.

    OBEID, César;  RIBEIRO, Jonas (Co-autor);  EBERT, Andrea (Ilustrador).  O menino de muitas caras.   São Paulo:  Editora do Brasil,  2010. 31 p. ISBN 9788510048811 Qtde.:  104 º. 

    BRAIDO, Eunice.  Como nasce a tartaruga.   São Paulo:  FTD,  19UU. 15 p. (Nascer) Qtde.:  65 º

    TOTAL DE EMPRÉSTIMOS - SETEMBRO/2015: 1145 exemplares

    - Usuários que mais retiraram livros - Setembro 2015:

    ALUNO

    ANO / SÉRIE

    TOTAL

    Luana Salvadegado

    2ª Série

    09

    Luíza Goulart​

    2ª Série

    07

    Fernanda Tubino Gomes Hartmann

    6º Ano B

    07

    Isabela de Oliveira Dias 6º Ano A 06

    Ana Clara Cordeiro Junkes

    5º ano A

    05

     

     

     

     

     

  • + Espaço do Vestibulando

    ​Com obras que são leitura obrigatória nos vestibulares UFSC e UDESC, bem como revistas com assuntos da atualidade, que também são cobrados nas provas.

  • + Recanto do Saber

    Com uma decoração voltada para os alunos do Ensino Fundamental I, neste espaço são dispostos livros para este público, segmentados por série e distribuídos em prateleiras, da altura destes alunos.

  • + Normalização de trabalhos

    Com o intuito de possibilitar os alunos com o conhecimento das normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), para a formatação de trabalhos, a biblioteca oferece dinâmicas e aulas previamente planejadas, para que os alunos, desde o Ensino Fundamental II, tenham vivência e adquiram prática da normalização de trabalhos acadêmicos, conforme orientações do Ensino Superior, com capa, folha de rosto, referências bibliográficas.

    No link abaixo temos um modelo com as normas da ABNT:

    http://www.csc.g12.br/arquivosSGC/files/Aula%20ABNT.doc

  • + Empréstimo domiciliar

    A Biblioteca Madre Inês oferece o serviço de empréstimo domiciliar aos seus usuários, com prazos diferenciados: Para alunos do Fundamental I, o período é de 7 dias. Para alunos do Fundamental II e Médio, o prazo de empréstimo é de 15 dias, para todos os materiais.

    Obedecendo o período de devolução dos livros, as turmas são encaminhadas à biblioteca para fazer a devolução e aplicação de dinâmica, que está relacionada à leitura da obra escolhida pelo usuário e/ou pela turma. Após este procedimento, os alunos fazem o empréstimo de novas obras. 

  • + Bibliotecário responsável

    Guilherme Wandscheer (CRB-14/1339)

  • + Horário de funcionamento da Biblioteca Madre Inês

    Segunda-feira a quinta-feira: 7h50 às 11h50 e 13h45 às 17h45

    Sexta-feira: 7h50 às 11h50 e 13h30 às 17h30

    Contato: bibliotecacolegiosantacatarina@gmail.com

  • + Dicas de Leitura

    Semanalmente, são enviados aos e-mails dos pais/responsáveis e alunos, duas sugestões de leituras do acervo da Biblioteca. As dicas são segmentadas por Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II e Ensino Médio.

    • FUNDAMENTAL I

    BRITO, Alexandre. Museu desmiolado.   Porto Alegre: Editora Projeto, 2011. 45 p. 

    Divertidos e intrigantes museus são apresentados através das brincadeiras com o sentido das palavras e das imagens que surpreendem, nos fazendo pensar para que servem, afinal, os museus. Ao mesmo tempo em que brinca com a ideia de museus tão estapafúrdios, o autor o faz de um modo muito a sério: com uma linguagem bastante requintada, apostando na inteligência e na curiosidade do leitor.

    ROCHA, Ruth. Marcelo, marmelo, martelo. São Paulo: Salamandra, 2011. 60 p.

    Este livro é uma das obras-primas da literatura infanto-juvenil. A autora inova a maneira tradicional de contar histórias, mostrando situações reais do cotidiano. Os personagens dos três contos que compõem este livro são crianças que vivem no espaço urbano. Elas resolvem seus impasses com muita esperteza e vivacidade; Marcelo cria palavras novas, Teresinha e Gabriela descobrem a identidade na diferença e Carlos Alberto compreende a importância da amizade!

    • FUNDAMENTAL II

    MARTINELLI, Tânia Alexandre.  Debaixo da ingazeira da praça.   São Paulo: Saraiva, 2005. 135 p. (Jabuti) 

    O que Miguel, Lucas, Marcelo, Júlio, Sílvia e Gabriela têm em comum além das longas conversas debaixo da ingazeira da praça em tardes preguiçosas? São adolescentes que, vivendo descobertas e observando o mundo, tiram da convivência com os mais velhos importantes lições de vida. 'Debaixo da Ingazeira da Praça', de Tânia Alexandre Martinelli, trata das relações humanas a partir da reflexão de jovens estudantes que passam a observar que a vida não pode ficar limitada às necessidades pessoais e que a construção de uma sociedade mais justa e igualitária depende da participação e contribuição de todos.

    CARRASCO, Walcyr.  Iracema em cena.   São Paulo:  Ática,  2008. 120 p. (Descobrindo os clássicos) 

    Adamo é balconista, mas sonha em ser roteirista de televisão. Eis que ele encontra um famoso diretor de TV e conta seu projeto: fazer uma minissérie sobre Iracema, o clássico de José de Alencar. O diretor chama o garoto para trabalhar, mas sua adaptação do clássico não tem nada a ver com o original. Adamo tem dois grandes desafios: fazer a história original ser respeitada e achar um jeito de a bela Joana, que interpreta Iracema, perceber que ele existe. 

    • ENSINO MÉDIO

    AMADO, Jorge. Gabriela, cravo e canela: crônica de uma cidade do interior. 2. ed. São Paulo:  Companhia das letras,  2012. 334 p.

    Gabriela, a mulata com a cor da canela e o cheiro do cravo, ficará na literatura como uma formosa figura de mulher, simples e espontânea, acima do Bem e do Mal. Com o seu inigualável lirismo e inspiração poética, Jorge Amado cria personagens inesquecíveis, e o comovente romance de amor do árabe Nacib e da mulata Gabriela coloca-os, sem dúvida, na galeria dos amantes da História da Literatura. Mas "Gabriela, Cravo e Canela" é mais do que a história de amor do árabe Nacib e Gabriela. É a crônica de uma pequena cidade baiana, Ilhéus, quando passava por bruscas transformações, por volta do ano de 1925. Sensual e inocente, sábia e pueril, a cozinheira Gabriela conquista não apenas o coração de Nacib e de uma porção de ilheenses, mas também o de leitores de vários países e gerações.


    SOUSA, Cruz e.  Cruz e Sousa Simbolista: Broquéis, Faróis, Últimos Sonetos.  Florianópolis: Avenida,  2008. 339 p. 

    Nos Últimos Sonetos, Cruz e Sousa vive a redenção de uma vida de auto-sofrimento, de uma vida fadada ao conflito entre a sensibilidade e a opressão: a infância sofrida embora apadrinhada por um homem de lucidez, seu pai adotivo, que deu alforria aos escravos antes da hora e lhe permitiu o estudo; as primeiras lutas abolicionistas na cidade do Desterro, hoje Florianópolis; a reação de uma sociedade que não admitia o negro naquelas alturas intelectuais; as dificuldades de natureza econômica; os preconceitos tantos, que se hoje existem nos grandes centros urbanos, o que não dizer numa pequena cidade branca no fim do século XIX; a dificuldade de trabalho que o fez receber um cargo público no interior e não poder tomar posse, porque era negro. Tudo isso colocado em confronto com uma sensibilidade nova. Tudo isso é a grande luta expressa na poesia de Cruz e Sousa que acaba com a redenção nos últimos sonetos